Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Graforreia Intermitente

Opinadelas, Politiquices, Ordinarices, Música, Cinema, Lirismo, Contos e muito mais!

Graforreia Intermitente

Opinadelas, Politiquices, Ordinarices, Música, Cinema, Lirismo, Contos e muito mais!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Lirismos: sem título 2

IMG_20141129_164349.jpg

*Foto: instagram @Jhonny_Moreira 

 

Num sopro exaurido, uma voz. Num palpitar cadente, um coração. Nuns lábios desbotados, a secura. E numa mão erma, o frio da solidão.

Na ausência, a saudade de quem ainda não está.

Depois do frio punitivo e do calor abrasador, depois do sol suceder à lua, dia após dia, num rio que não desagua.

Na procura, a esperança do que se encontrará.

E, então, o tempo deixa de correr. No coração, uma chama a arder. A paixão de dois lábios pressionados na loucura de dois corpos unidos.

Na presença, a alegria da plenitude.

 

Lirismos: Desço a avenida…

FB_IMG_1445266754034.jpg*

Desço a avenida, no silêncio da calçada, imitando a passada dos que me antecederam. Sinto no rosto desprotegido o vento gélido que vem veloz em liberdade do mar até ao centro da cidade, trazendo o salgado aroma da foz.

Vejo o sol esconder-se no seu pijama alaranjado, deixando o horizonte raiado, enquanto se deita na sua cama de nuvens, eternamente fugindo à lua pela qual ainda vive apaixonado.

Na rua, o meu pensamento corre sem parede ou teto. Sem limites. E a cada momento parece sempre certo. Mas assusta-me pensar em tudo o que não fiz e em tudo o que quis. Assusta-me pensar no que farei e no que nunca quererei ou serei.

Os postes de iluminação revelam a sua incandescência, lançando sombras sobre o caminho, sobre as casas, sobre mim. Surge aquela impaciência de quem está sozinho e não vê o fim.

A casa. O lar. O abrigo que me dá proteção. Aquilo que chamo de meu espaço. Não antevejo o futuro, mas anseio o que me espera. A outra metade do meu coração, o aperto do nosso abraço, o beijo que quebra qualquer muro e a certeza de que ainda reinamos na nossa própria Era.

 *Foto: instagram @Jhonny_Moreira

Lirismos: Faças o que fizeres

Faças o que fizeres:

O sol continuará a surgir todas as manhãs a Nascente e a despedir-se todas as tardes a Poente. A chuva cairá das nuvens até à terra sempre que ficam sobrecarregadas. A montanha não se moverá. O fogo queimará e a água molhará. O tempo correrá e o passado ficará para trás enquanto o futuro à frente se desvendará. E todo o ser que é vivo, morrerá.

Faças o que fizeres, faz apenas aquilo que realmente queres!

IMG_20150916_185651.jpg

 Foto: Instagram @Jhonny_Moreira

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub